Projetos de Pesquisa

 
EM ANDAMENTO 
 
FERNANDO PESSOA: AUTORIA E IRONIA
Caio Gagliardi (Professor Dr., PPGLP, DLCV-USP)
Trata-se de uma proposta de leitura da obra de Pessoa à luz de duas noções relacionadas: autoria e ironia. Por hipótese, a autoria apresenta-se nessa obra como uma formulação essencialmente irônica do jogo dialético entre sujeito e objeto, bem como entre as principais categorias oposicionais que constituem o fenômeno heteronímico, realidade e ficção. O objetivo da pesquisa é propor uma clave de leitura seja para o sistema poético pessoano, seja para as suas instâncias autorais específicas.
 
JORGE DE SENA E A RECUSA DIALÉTICA AO FINGIMENTO PESSOANO
Daiane Walker Araujo (Mestranda, CNPq/FAPESP, DLCV-USP)
O trabalho tem por objetivo examinar as ressonâncias da poética do fingimento, de Fernando Pessoa, na poesia de Jorge de Sena. Trata-se de identificar e analisar os momentos em que a poética do testemunho seniana se manifesta, por um lado, como recusa à noção de “artifício”, relacionada ao uso das máscaras e à consequente estetização das emoções, bem como aqueles em que, por outro, apreende a lição pessoana da poesia (e do sujeito) como objeto de linguagem. 
 
FERNANDO PESSOA E A "DETEATRIZAÇÃO": O DRAMA ESTÁTICO E SEU LUGAR NA MODERNA DRAMATURGIA EUROPEIA
Flávio Rodrigo Vieira Lopes Penteado (Doutorando, FAPESP, DLCV-USP)
Partindo da ideia de "deteatrização", termo cunhado por Pessoa, a pesquisa almeja esclarecer-lhe o vínculo com os "dramas estáticos" que o autor concebeu. Entende-se que estas peças participam da "crise do drama" formulada por Peter Szondi, o que favorece seu estudo comparativo com aquelas analisadas pelo crítico húngaro, as quais também questionam os mecanismos tradicionais de criação dramática. Tal abordagem do teatro pessoano permite integrá-lo, para além do imaginário simbolista, na corrente mais ampla da moderna dramaturgia europeia.
 
PESSOA EM REVISTA
Jorge Alberto Uribe Lozada (Pós-Doutorando, CNPq, DLCV-USP)
Propõe-se o estudo hermenêutico e filológico das publicações de Fernando Pessoa em revistas literárias entre 1912 e 1935. Com base na hipótese de que o escritor teria formulado um projeto unitário de autopublicação, a pesquisa tem por meta reconfigurar esse projeto virtual através da abordagem da complexa malha de suas partes constituintes, tanto éditas (os textos tal como publicados) quanto inéditas (as versões, os rascunhos e os projetos de publicação).  
 
PESSOA E PIRANDELLO: IRONISTAS MODERNOS
Mateus Ramos Lourenço (Doutorando, CNPq, DLCV-USP)
A partir da noção de que em Pessoa e Pirandello a ironia é não somente uma figura retórica, mas sobretudo uma tensão permanente da consciência autorreflexiva da arte moderna, o estudo procura compreender a qualidade irônica de suas obras. Com esse objetivo, serão analisados destes escritores tanto os textos que procuram definir teoricamente o conceito de ironia, quanto os textos ficcionais -- de diversos gêneros -- que põem em relevo suas formas e ideias irônicas.
 
 
CONCLUÍDOS
 
O TEATRO DA ESCRITA EM FERNANDO PESSOA 
Flávio Rodrigo Vieira Lopes Penteado (Mestrado, FAPESP, DLCV-USP)
Trata-se de uma análise conceitual da noção pessoana de “drama”, baseada nos textos em prosa de seu autor a respeito do tema, bem como em um corpus específico de textos dramatúrgicos e poéticos. Por hipótese, a análise desses textos permitirá enxergá-los como parte de um mesmo e ambicioso propósito de conjunção que se norteia tanto pela superação de fronteiras nítidas entre o gênero lírico e o dramático quanto por um anseio de incompletude monumental, subjacente à poética do autor.
 
SITUAÇÃO DO AUTOR NA LÍRICA MODERNA: FERNANDO PESSOA E EZRA POUND 
Rodrigo Lobo Damasceno (Mestrado, CNPq, DLCV-USP)
Trata-se de um estudo teórico e comparativo acerca das obras líricas de Fernando Pessoa e Ezra Pound, partindo da hipótese central de que sua leitura conjunta proporciona um ângulo privilegiado de análise, tanto de seus procedimentos específicos, quanto de alguns dos aspectos axiais da lírica moderna. Mantendo no horizonte a busca comum pelo descentramento do sujeito lírico, focalizam-se, nessa abordagem, o diálogo dos poetas com a tradição, sua relação com a musicalidade, a recorrência ao artifício da máscara e sua atividade como tradutores.
 
JORGE DE SENA LEITOR DE FERNANDO PESSOA
Daiane Walker Araujo (Iniciação Científica, FAPESP, DLCV-USP)
Partindo da obra crítica de Jorge de Sena acerca da criação literária de Fernando Pessoa, o projeto propõe-se a investigar a construção daquele que postula ser o conceito-chave das leituras senianas de Pessoa: a noção de evolução. Com base nesse conceito algo recorrente na fortuna crítica pessoana, são abordados os aspectos estéticos, estilísticos e psicológicos que estariam vinculados ao itinerário evolutivo de Pessoa, bem como os critérios de valor que orientam as diferentes interpretações teóricas desse fenômeno.
 
A EXALTAÇÃO DO GÊNIO: UM ESTUDO SOBRE A CONSTRUÇÃO DO ETHOS EM FERNANDO PESSOA 
Alex de Araujo Neiva (Iniciação Científica, FAPESP / Mestrado, FAPESP, DLCV-USP)
Trata-se do estudo da noção de gênio tanto nas formulações estéticas quanto poéticas do autor. Da projeção do ethos do “homem de gênio” nas cartas a G. Simões, C. Monteiro e Côrtes-Rodrigues, parte-se para a análise das apropriações que Pessoa fez de Thomas Carlyle, sobretudo das famosas conferências em torno de Os Heróis, e das implicações do ethos do “gênio louco”, para enfim serem abordados os escritos deixados por Pessoa a respeito da questão Shakespeare-Bacon.